Pr0m3th3u5

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 17:31


The Modern Prometheus é o subtítulo do romance (embora algumas edições modernas tenham retirado o subtítulo, mencionando-o apenas em uma introdução).

Prometeu, em versões posteriores da mitologia grega, foi o Titã que criou a humanidade a pedido de Zeus. Ele fez um ser na imagem dos deuses que poderia ter um espírito inspirado.

Prometeu ensinou o homem a caçar, ler e curar seus doentes, mas depois que ele enganou Zeus para aceitar ofertas de má qualidade dos humanos, Zeus manteve o conhecimento do fogo afastado da humanidade.

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Nicolaas em Qua 13 Jul - 17:36


Prometeu, sendo o Criador, tomou de volta o fogo de Zeus, para dar ao homem.

Quando Zeus descobriu isso, ele sentenciou Prometeu a ser eternamente punido, fixando-o numa rocha do Cáucaso, onde a cada dia uma águia bicava seu fígado, apenas para que o fígado voltasse a crescer no dia seguinte por causa de sua imortalidade como deus.

Zeus pretendia fazer Prometeu sofrer sozinho, por toda a eternidade, mas eventualmente Heracles (Hércules) o libertou.

avatar
Nicolaas
Cáfila

QG : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 17:41


Prometeu também foi um mito contado pelos latinos antigos, mas foi uma história muito diferente.

Na versão latina, Prometheus faz homem de barro e água, novamente um tema muito relevante para Frankenstein, como Victor se rebela contra as leis da natureza (como a vida é naturalmente feita) e como resultado é punido por sua Criação.

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Nicolaas em Qua 13 Jul - 17:44


O Titã da mitologia grega ou da mitologia latina de Prometeu se assemelha a Victor Frankenstein.

O trabalho de Victor, criando o homem por novos meios, reflete o mesmo trabalho inovador do Titã na Criação de seres humanos.

avatar
Nicolaas
Cáfila

QG : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 17:47


Alguns argumentaram que Mary Shelley viu Prometeu não como um herói, mas como um diabo, ou anjo caído, e o culpou por dar o fogo ao homem e, assim, seduzir a raça humana ao vício de comer carne (o fogo trouxe a comida, o que trouxe caça e matança).

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Nicolaas em Qua 13 Jul - 17:49


Byron foi particularmente ligado à peça Prometheus Bound, de Aeschylus, e Percy Shelley logo escreveu seu próprio Prometheus Unbound (1820).

O termo "Modern Prometheus" foi realmente cunhado por Immanuel Kant em referência a Benjamin Franklin e seus experimentos com eletricidade.

avatar
Nicolaas
Cáfila

QG : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 17:52


Shelley incorporou várias fontes diferentes em seu trabalho, uma das quais foi o mito prometeano de Ovídio.

A influência de Paradise Lost, de John Milton, e The Rime of the Ancient Mariner, de Samuel Taylor Coleridge, também é claramente evidente no romance.

É provável que Mary tenha adquirido algumas idéias para o personagem de Frankenstein do livro de Humphry Davy, Elements of Chemical Philosophy, no qual ele escreveu que

"a ciência ... concedeu ao homem poderes que podem ser chamados de criativos; que lhe permitiram mudar e modificar os seres ao seu redor ... ".

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Nicolaas em Qua 13 Jul - 19:09


Referências à Revolução Francesa percorrem o romance; uma possível fonte pode estar no Le Miroir des Événemens Actuels, de François-Félix Nogaret (fr), ou em Belle au Plus Offrant (1790): uma parábola política sobre o progresso científico com um inventor chamado Frankésteïn que cria um autômato em tamanho natural.

avatar
Nicolaas
Cáfila

QG : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 19:12


O poema "Mutabilidade", de Percy Bysshe Shelley, de 1816, também é citado e seu tema sobre o papel do subconsciente é discutido em prosa.

O Monstro ou Ser também cita uma passagem do poema.

Seu nome nunca apareceu como o autor do poema, embora outros poetas sejam citados pelo nome no romance, implicando que Mary escreveu o poema e desenvolveu as idéias psicológicas.

Outra razão potencial é esconder suas contribuições para o romance.

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Nicolaas em Qua 13 Jul - 19:16


Nos últimos trinta anos, muitos escritores e historiadores tentaram associar vários filósofos naturais populares (agora chamados cientistas físicos) ao trabalho de Shelley, por conta de várias semelhanças notáveis.

Dois dos mais notáveis filósofos naturais entre os contemporâneos de Shelley foram Giovanni Aldini, que fez muitas tentativas públicas de reanimação humana através do galvanismo bio-elétrico em Londres e Johann Konrad Dippel, que deveria ter desenvolvido meios químicos para prolongar a vida útil. dos seres humanos.

avatar
Nicolaas
Cáfila

QG : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por S4v01r em Qua 13 Jul - 19:18


Shelley estava obviamente ciente de ambos os homens e suas atividades, mas ela não faz menção ou referência a eles ou suas experiências em qualquer uma das suas notas publicadas ou liberadas.

avatar
S4v01r
Real|Mojo

QG : 15
Codinome : Bora

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sex 12 Ago - 1:56


Frankenstein tem sido bem recebido, e desconsiderado, ao mesmo tempo, desde sua publicação anônima em 1818.

Revisões críticas da época demonstram essas duas visões, juntamente com especulações confusas sobre a identidade do autor.

A Belle Assemblée descreveu o romance como "ficção muito ousada".

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sex 12 Ago - 2:07



A revista trimestral afirmou que "o autor tem o poder da concepção e da linguagem".

Sir Walter Scott, escrevendo na Edinburgh Magazine, de Blackwood, parabenizou "o gênio original e o feliz poder de expressão do autor", embora ele esteja menos convencido sobre a maneira pela qual o Monstro obtém conhecimento sobre o mundo e a linguagem.

As revistas Edinburgh e a Miscelânea Literária esperavam ver "mais produções deste autor".

Por outro lado, a revista trimestral descreveu "um tecido de absurdo horrível e repugnante".

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 2:51


Em duas outras revisões, onde o autor é conhecido como a filha de William Godwin, a crítica do romance faz referência à natureza feminina de Mary Shelley.

O crítico britânico ataca as falhas do romance como culpa do autor: "O escritor dele é, entendemos, uma mulher; isso é um agravamento daquilo que é a falha predominante do romance; mas se a nossa autora pode esquecer a gentileza de seu sexo, não é por que devemos fazê-lo e, portanto, devemos descartar o romance sem mais comentários ".

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 2:57


O Panorama Literário e o Registro Nacional atacam o romance como uma "fraca imitação dos romances de Godwin", produzido pela "filha de um célebre romancista vivo".

Apesar destas revisões, Frankenstein alcançou um sucesso popular quase imediato.

Tornou-se amplamente conhecido especialmente através de adaptações teatrais melodramáticas - Mary Shelley viu uma produção de Presunção; ou The Fate of Frankenstein, uma peça de Richard Brinsley Peake, em 1823.

Uma tradução francesa apareceu em 1821 (Frankenstein: ou le Prométhée Moderne, traduzido por Jules Saladin).

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:00


The Picture of Dorian Gray foi originalmente uma novela submetida à Revista Mensal de Lippincott para publicação em série. Em 1889, J. M. Stoddart, um editor de Lippincott, estava em Londres para solicitar novelas para publicar na revista.

Em 30 de agosto de 1889, Stoddart jantou com Oscar Wilde, Sir Arthur Conan Doyle e T. P. Gill no Hotel Langham, e encomendou novelas de cada escritor.

Conan Doyle prontamente submeteu The Sign of the Four (1890) a Stoddart, mas Wilde era mais dilatador; o segundo romance de Conan Doyle, Sherlock Holmes, foi publicado na edição de 1890 da Monthly Magazine de Lippincott, mas Stoddart não recebeu o manuscrito de Wilde para The Picture of Dorian Gray até 7 de abril de 1890, nove meses depois de ter encomendado o romance.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:03


Os méritos literários de The Picture of Dorian Gray impressionaram Stoddart, mas, como editor, ele disse ao editor, George Lippincott, que "em sua condição atual há uma série de coisas que uma mulher inocente faria uma exceção a ..."

Entre as exclusões pré-publicação que Stoddart e seus editores fizeram ao texto do manuscrito original de Wilde estavam:

(i) passagens alusivas à homossexualidade e ao desejo homossexual;

(ii) todas as referências ao título de livro fictício Le Secret de Raoul e seu autor, Catulle Sarrazin; e

(iii) todas as referências de "amante" aos amantes de Gray, Sibyl Vane e Hetty Merton.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:05


O Retrato de Dorian Gray foi publicado em 20 de junho de 1890, na edição de julho da revista mensal de Lippincott.

Os críticos britânicos condenaram a imoralidade do romance, e disseram que a condenação era tão polêmica que a editora W H Smith retirou todas as cópias da edição de julho de 1890 da revista mensal de Lippincott de suas livrarias em estações ferroviárias.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:07


Consequente à dura crítica da edição da revista de 1890, Wilde melhorou as referências homoeróticas, para simplificar a mensagem moral da história.

Na edição da revista (1890), Basil diz a Lord Henry como ele "adora" Dorian, e implora para que ele não "tire a pessoa que torna minha vida absolutamente adorável para mim".

Na edição da revista, Basílio se concentra no amor, enquanto na edição do livro (1891), Basílio se concentra em sua arte, dizendo a Lorde Henry, "a pessoa que dá a minha arte qualquer charme que possa possuir: minha vida como artista".

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:10


A edição da revista The Picture of Dorian Gray (1890) foi ampliada de treze para vinte capítulos; e o último capítulo da edição da revista foi dividido em dois capítulos, o décimo nono e o vigésimo capítulos da edição do livro (1891).

Os acréscimos textuais de Wilde eram sobre "consubstanciar-se em Dorian como um personagem" e fornecer detalhes de sua ascendência que tornaram seu "colapso psicológico mais prolongado e mais convincente".

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:13


A introdução do personagem de James Vane à história desenvolve o background socioeconômico do personagem Sibyl Vane, enfatizando assim o egoísmo de Dorian e prenunciando a percepção acurada de James do caráter essencialmente imoral de Dorian Gray; assim, ele corretamente deduziu a intenção desonrosa de Dorian em relação à Sibyl.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:16


O sub-enredo sobre antipatia de James Vane contra Dorian dá ao romance um toque vitoriano de luta de classes.

Com essas mudanças textuais, Oscar Wilde pretendia diminuir a controvérsia moralista sobre o romance O Retrato de Dorian Gray.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:19


O Prefácio de Dorian Gray


Conseqüente à dura crítica da edição de revista do romance, as revisões textuais de The Picture of Dorian Gray incluíram um prefácio em que Wilde abordou as críticas e defendeu a reputação de seu romance.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:23


Para comunicar como o romance deve ser lido, no Prefácio, Wilde explica o papel do artista na sociedade, o propósito da arte e o valor da beleza.

Traça a exposição cultural de Wilde ao taoísmo e à filosofia de Chuang Tsǔ (Zhuang Zhou).

Antes, antes de escrever o prefácio, Wilde escrevera uma resenha do livro da tradução de Herbert Giles da obra de Zhuang Zhou.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:26


O prefácio foi publicado pela primeira vez na edição de 1891 do romance; no entanto, em junho de 1891, Wilde estava defendendo The Picture of Dorian Gray contra acusações de que se tratava de um livro ruim.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:30


No ensaio O Artista como Crítico, Oscar Wilde disse que:

O honesto pagador de impostos e sua família saudável, sem dúvida, muitas vezes ridicularizaram a testa de domo do filósofo e riram sobre a estranha perspectiva da paisagem que se encontra abaixo dele. Se eles realmente soubessem quem ele era, eles tremeriam. Pois Chuang Tsǔ passou a vida pregando o grande credo da Inação e apontando a inutilidade de todas as coisas.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:33


No século XIX, a recepção crítica do romance O Retrato de Dorian Gray (1890) era pobre.

O crítico de livros do The Irish Times disse que The Picture of Dorian Gray foi “publicado pela primeira vez em algum escândalo.”

Tais resenhas de livros alcançaram para o romance o registro de o livro ser uma “certa notoriedade por ser 'makkish e nauseous', 'impuro', ' efeminado "e" contaminante ".

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:36


Tal escândalo moralista surgiu do homoerotismo do romance, que ofendeu as sensibilidades (sociais, literárias e estéticas) dos críticos de livros vitorianos.

No entanto, a maioria das críticas foi pessoal, atacando Wilde por ser um hedonista com uma visão distorcida da moralidade convencional da Grã-Bretanha vitoriana.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por AK47 em Sab 13 Ago - 3:38


Na edição de 30 de junho de 1890 do Daily Chronicle, o crítico do livro disse que o romance de Wilde contém "um elemento( ... )que vai manchar toda mente jovem que entra em contato com ele".

Na edição de 5 de julho de 1890 do Scots Observer, um revisor perguntou: "Por que Oscar Wilde deve ir às escondidas?"

Em resposta a tais críticas, Wilde obscureceu o homoerotismo da história e expandiu o background pessoal dos personagens.

avatar
AK47
Real|Mojo

QG : 13

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:41


Das Revisões Textuais



Após a publicação inicial da edição da revista The Picture of Dorian Gray (1890), Wilde expandiu o texto de 13 para 20 capítulos e obscureceu os temas homoeróticos da história.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:43


Na versão original da edição de 1891, os capítulos 3, 5 e 15 a 18, inclusive, são novos; e o capítulo 13 da edição da revista foi dividido e tornou-se os capítulos 19 e 20 da edição original.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:48


Em 1895, em seus julgamentos, Oscar Wilde disse que revisou o texto de seu livro por causa das cartas enviadas a ele pelo crítico cultural Walter Pater.

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:51


Passagens Revisadas para o Romance



(Basil sobre Dorian) "Ele ficou como Paris em armadura delicada, e como Adônis com capa de caçador e lança de javali polido. Coroado com flores de lótus pesados, ele sentou-se na proa da barcaça de Adrian, olhando para o verde, turvo Nilo. Ele se debruçou sobre a poça imóvel de algum bosque grego, e viu na prata silenciosa da água a maravilha de sua própria beleza ".


avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:54


(Lord Henry descreve o que é "fidelidade")

"Não tem nada a ver com a nossa vontade. É um acidente infeliz ou um resultado desagradável de temperamento."

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:56



"Você não quer dizer que Basil tem alguma paixão ou qualquer romance nele?"

"Eu não sei se ele tem alguma paixão, mas ele certamente tem romance", disse Lord Henry, com um olhar divertido em seus olhos.

"Ele nunca deixou você saber disso?"

"Nunca. Eu devo perguntar a ele sobre isso. Estou bastante surpreso em ouvir isso."

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 3:58



(Basil Hallward o descreveu) "Robusto e direto como era, havia algo em sua natureza que era puramente feminino em sua ternura."

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 4:00



(Basil para Dorian)

"É bem verdade que eu te adorei com muito mais romance de sentimentos do que um homem geralmente dá a um amigo.

De forma alguma, eu nunca amei uma mulher. Eu suponho que eu nunca tive tempo.

Talvez, como Harry diz, uma paixão realmente grande é o privilégio daqueles que não têm nada para fazer, e isso é o uso das classes ociosas em um país
".



avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 4:05


(Basil confronta Dorian)

"Dorian, Dorian, sua reputação é infame.

Eu sei que você e Harry são grandes amigos.

Eu não digo nada sobre isso agora, mas certamente você não precisa ter feito o nome de sua irmã uma palavra
."


(A primeira parte desta passagem foi excluída do texto da revista de 1890; a segunda parte da passagem foi inserida no texto do romance de 1891.)

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 4:08


Passagens Adicionadas ao Romance


"Cada classe teria pregado a importância dessas virtudes, para cujo exercício não havia necessidade em suas próprias vidas.

Os ricos teriam falado sobre o valor da economia, e os ociosos cresceram de maneira eloqüente sobre a dignidade do trabalho
."


avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por 3n16m4 em Sab 13 Ago - 4:10


"Uma grande paixão é o privilégio de pessoas que não têm nada para fazer.

Esse é o único uso das classes ociosas de um país.

Não tenha medo.
"

avatar
3n16m4
Real|Mojo

QG : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pr0m3th3u5

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum